Arquivos de Tag: crise paradigmática

Pérolas dos alunos – Ana Luiza

Ana Luiza de Paula Vasconcelos – aluna de Biomedicina/2018

Os paradigmas no canário kuhniano

O conto “Ideias do canário”, de Machado de Assis, conta a história de Macedo, um estudioso da ornitologia que conversa com um canário adquirido em uma loja de belchior. Já o livro A estrutura das revoluções científicas, escrito por Thomas Kuhn, propõe uma nova perspectiva para a ciência e traz conceitos e ideias que podem ser comparados com o texto machadiano. Os principais conceitos kuhnianos e as comparações com o conto serão apresentados no decorrer desta dissertação.

Continuar Lendo →

Clube de Revista: Um discurso sobre as ciências

Nesta quinta-feira (6 de outubro) às 17:30h, faremos nosso Clube de Revista com um convidado especial: Rodrigo Bischoff Belli, doutorando em Ciências Sociais pela Unesp e professor colaborador da nossa área de Metep (DFE/UEM). Rodrigo nos apresentará o texto do Boaventura de Sousa Santos, Um discurso sobre as ciências (2010), que já está na sua sétima edição brasileira pela editora paulista Cortez, mas que foi publicado originalmente em 1987:

santos_umdiscursosobreasciencias

Diz Rodrigo:

Em Um discurso sobre as ciências, o sociólogo Boaventura de Sousa Santos desenvolve um tema candente na metade final do século XX: a crise paradigmática da ciência moderna. As promessas que estariam atreladas à constituição desse paradigma e que deveriam ser cumpridas de acordo com seus idealizadores ou foram realizadas em demasia ou não o foram. Ter-se-ia, então, a percepção da deficiência do desenvolvimento tanto da ciência quanto da modernidade, o que acarretaria na descrença em seus respectivos conteúdos. Porém, Santos não admite a opção de cruzar os braços e considerar que tudo esteja perdido, ou que esta situação de crise nada mais seja que um momento de realização da natureza humana. O sociólogo português identifica nesse momento de crise um verdadeiro momento de transição. Ao contrário de um possível “fim da história”, a crise paradigmática da ciência seria, na verdade, um momento de perda da legitimidade do paradigma dominante. Baseado nesses questionamentos seria possível forjar um novo paradigma, um novo modelo de ação científica que poderia ser mais feliz do que seu antecessor no que tange às suas aspirações. Esta novidade seria o paradigma pós-moderno. Além do percurso de formação dessa proposta e de seus desdobramentos, apresentaremos como ela possui contradições que a direcionam num sentido contrário ao pretendido.