Em construção

Confiram lá este novo periódico! Além de textos maravilhosos dos amigos – inclusive uma resenha da Francine sobre o último livro de Paul Feyerabend -, há lá um artigo meu sobre autoria científica, uma tradução que fiz da introdução do livro Ciência como arte (Wissenschaft als Kunst), de Feyerabend, e um texto que preparei sobre a entrevista que ele deu em 1993.

Anúncios

Sobre as traduções da Origem das espécies, de Charles Darwin

calvinevolucao

Em 2017 estarei afastada das minhas atividades na UEM para levar a cabo uma pesquisa de pós-doc sobre as traduções da Origem em português. O projeto, que se encontra aqui, será realizado na Universidade de Lisboa (UL) e na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Continuar Lendo →

Pérolas dos alunos – Amanda

Amanda Beatriz Kawano Bakosh - aluna de Bioquimica/2016

Amanda Beatriz Kawano Bakoshi – aluna de Bioquimica/2016

Um voo através dos paradigmas

Machado de Assis escreveu o conto “Ideias do canário”, o qual conta a história de Macedo, um estudioso de ornitologia, que conversa com um canário que encontrou em uma loja de belchior. Já Thomas Kuhn escreveu A estrutura das revoluções científicas, obra que propõe um novo olhar para a ciência, e apresenta conceitos e ideias que podem ser pensados junto com o conto de Machado de Assis; isso pode ser feito explicando os conceitos de Kuhn, e depois relacionando-os com a história do canário, de modo a identificar a semelhança entre as duas histórias, deixando evidente como o conto pode ilustrar o conceito de paradigma.

Continuar Lendo →

EAIC 2016 – apresentação do Vitor – Deixa o Darwin falar!

Apresentação do trabalho de PIBIC do Vitor no Encontro Anual de Iniciação Científica, que aconteceu no dia 14 de outubro de 2016 na UEM:

 

EAIC 2016 – Vitor e Wendell

poseaic2016_almocovegano2

Missão cumprida a contento! Vitor, Wendell e suas orgulhosas orientadoras, Cristina e Marta, no almoço vegano após as apresentações no Encontro Anual de Iniciação Científica. Isso aconteceu na UEM no dia 14 de outubro de 2016. Mais sobre esses trabalhos na aba Projetos/PIBIC 2015-6 aí em cima.

Clube de Revista: Um discurso sobre as ciências

Nesta quinta-feira (6 de outubro) às 17:30h, faremos nosso Clube de Revista com um convidado especial: Rodrigo Bischoff Belli, doutorando em Ciências Sociais pela Unesp e professor colaborador da nossa área de Metep (DFE/UEM). Rodrigo nos apresentará o texto do Boaventura de Sousa Santos, Um discurso sobre as ciências (2010), que já está na sua sétima edição brasileira pela editora paulista Cortez, mas que foi publicado originalmente em 1987:

santos_umdiscursosobreasciencias

Diz Rodrigo:

Em Um discurso sobre as ciências, o sociólogo Boaventura de Sousa Santos desenvolve um tema candente na metade final do século XX: a crise paradigmática da ciência moderna. As promessas que estariam atreladas à constituição desse paradigma e que deveriam ser cumpridas de acordo com seus idealizadores ou foram realizadas em demasia ou não o foram. Ter-se-ia, então, a percepção da deficiência do desenvolvimento tanto da ciência quanto da modernidade, o que acarretaria na descrença em seus respectivos conteúdos. Porém, Santos não admite a opção de cruzar os braços e considerar que tudo esteja perdido, ou que esta situação de crise nada mais seja que um momento de realização da natureza humana. O sociólogo português identifica nesse momento de crise um verdadeiro momento de transição. Ao contrário de um possível “fim da história”, a crise paradigmática da ciência seria, na verdade, um momento de perda da legitimidade do paradigma dominante. Baseado nesses questionamentos seria possível forjar um novo paradigma, um novo modelo de ação científica que poderia ser mais feliz do que seu antecessor no que tange às suas aspirações. Esta novidade seria o paradigma pós-moderno. Além do percurso de formação dessa proposta e de seus desdobramentos, apresentaremos como ela possui contradições que a direcionam num sentido contrário ao pretendido.

Seminários Feyerabend: A ciência em uma sociedade livre

Feyeraben_cienciaLivre

Os seminários deste ano giram em torno de A ciência em uma sociedade livre, de Paul Feyerabend. Esse livro foi escrito ainda nos anos 1970, mas depois da primeira edição de Contra o método (clique aqui para ver o registro da nossa atividade Oficina Contra o Método). Só recentemente foi traduzido no Brasil por Vera Joscelyne e publicado pela Editora da Unesp em 2011. Nesse livro, Feyerabend enfatiza a relação entre ciência e sociedade, tão cara aos science studies, que, no entanto, parecem não explorar essa relação até as últimas consequências como ele.

Leituras do livro Darwinismo, de Alfred R. Wallace

darwinismo-teoria-da-seleco-natural-alfred-russel-wallace-331511-MLB20561936214_012016-O

Neste ano de 2016 iniciamos mais uma atividade, a leitura do livro Darwinismo: uma exposição da teoria da seleção natural com algumas de suas aplicações, de Alfred Russel Wallace (1823-1913), coautor da teoria da evolução por seleção natural. Lançado originalmente em 1889, o livro foi recentemente traduzido no Brasil por Antonio Danesi e publicado pela Edusp em 2012. Esse e outros textos originais de Wallace se encontram digitalizados em seu arquivo na internet: http://wallace-online.org/.

Pérolas dos alunos – Beatriz

Beatriz Vesco Diniz_biomedicina_2016

Beatriz Vesco Diniz – aluna de Biomedicina/2016

O canário kuhniano

Thomas Kuhn trouxe, com A estrutura das revoluções científicas, uma nova abordagem da ciência, causando novas reflexões sobre essa área tão valorizada pela sociedade. É possível estabelecer uma ligação entre as ideias de Kuhn e o conto “Ideias do Canário”, de Machado de Assis, e é este o objetivo da dissertação que se segue: analisar o conto machadiano, relacionando-o com os conceitos de Kuhn, através de uma síntese de ambos e posteriormente estabelecendo a ligação entre eles.

Continuar Lendo →

Spencer, honorável monista ingênuo

Spencer_Herbert_grave

Em julho/2016 fizemos um Clube de Revista sobre o evolucionismo de Spencer. Não por gosto, mas por necessidade, tendo em vista que, por conta das nossas pesquisas sobre Darwin e Wallace,  já sabíamos de antemão que a recepção do darwinismo tem uma coloração spenceriana. Discutimos o seu livro sobre o progresso, Progress, its law and cause, traduzido às vezes como Do progresso, sua lei e sua causa, às vezes como Lei e causa do progresso.

Veja o que a Marta escreveu sobre a nossa conversa.

Continuar Lendo →

Origem das espécies – capítulo 15

 

darwinLivroBusto

Texto da Marta

Por fim, chegamos ao último capítulo de A origem das espécies, de Charles Darwin, após dois anos e meio de leitura nas tertúlias de quarta-feira do GP de Science Studies da UEM, sob coordenação da professora Cristina de Amorim Machado. Como escreveu nossa querida amiga e estudiosa de Darwin, Anna Carolina Regner, a obra de Darwin revolucionou os estudos dos campos das ciências biológicas e a nossa maneira de ver e conceber a atividade científica.  Ela também nos lembra que (Regner, 2009):

“Na Inglaterra, a história natural que Darwin encontrou confundia-se com uma “teologia natural”, quando os naturalistas (muitas vezes pacatos párocos) tomavam a aparente perfeição de adaptações e coadaptações como evidências de desígnio divino, enfatizando a harmonia de toda a natureza. O pano de fundo das indagações vinha marcado por grandes polêmicas, a respeito das quais o pensamento de Charles Darwin será decisivo.”

No capítulo 15, “Recapitulação e conclusão”, Darwin nos oferece um resumo belíssimo da sua teoria. Nesse capítulo, ele revê os anteriores, desenhando seu percurso e enunciando, ao final, sua colaboração para a compreensão da história da natureza.

Continuar Lendo →

Origem das espécies – capítulos 10 e 11

darwinNow

Minha mãe, Odete, representante da Unati nas nossas leituras de Darwin, preparou o seguinte resumo dos capítulos 10 e 11, respectivamente “Sobre a imperfeição dos registros geológicos” e “Sobre a sucessão geológica dos seres organizados”:

Continuar Lendo →

Seminários “A ciência tal qual se faz” – geografia histórica dos laboratórios

Texto da Francine

O penúltimo capítulo de A ciência tal qual se faz foi confiado a Simon Shaffer (1955-), historiador da ciência inglês, coautor do livro Leviathan air-pump: Hobbes, Boyle and the experimental life (1985), que atua como professor de história e filosofia da ciência em Cambridge, Reino Unido. Dentre os vídeos dele no nosso canal do youtube, encontra-se este, de 1983, sobre Newton:

Continuar Lendo →

Origem das espécies – capítulo 9

origin3

A Marta preparou um resumo do capítulo 9 da Origem, “Hibridismo”, que tem as seguintes seções: 1) Distinção entre a esterilidade dos primeiros cruzamentos e a dos híbridos; 2) A esterilidade varia em grau, não é universal, é afetada pelo cruzamento entre indivíduos afins e é removida pela domesticidade; 3) Leis que regem a esterilidade dos híbridos; 4) A esterilidade não é uma característica especial, depende de outras diferenças, e não é acumulada por seleção natural; 5) Causas da esterilidade dos primeiros cruzamentos e dos híbridos; 6) Paralelismo entre os efeitos das condições de vida alteradas e dos cruzamentos; 7) Dimorfismo e trimorfismo; 8) A fertilidade das variedades cruzadas e dos seus descendentes mestiços não é universal; 9) Híbridos e mestiços comparados independentemente da sua fecundidade.

Continuar Lendo →

Seminários “A ciência tal qual se faz” – fatos e hipóteses

Em seminário de dezembro/2015, discutimos o texto “Factos e hipóteses” de um velho conhecido nosso, o filósofo Ian Hacking (clique aqui para ver o registro dos nossos seminários sobre o livro Representar e intervir, de Ian Hacking, que ocorreram em 2013), cujos vídeos já foram postados aqui neste blog e também se encontram no nosso canal do Youtube. De lá para cá, mais alguns vídeos apareceram na rede, entre eles o seguinte:

A Francine preparou o seguinte resumo do artigo:

O décimo terceiro capítulo de “A ciência tal qual se faz” foi destinado à análise de dois dos verbetes mais incluídos no pacote da designação científica nos últimos quatro séculos: “fatos” e “hipóteses”. A escolha do autor a quem se destinou o desafio dificilmente teria sido mais feliz. Ian Hacking, filósofo canadense nascido em 1936, é um significativo representante dos Science Studies, tendo publicado, entre outros, o livro Representar e intervir, que, essencialmente, diz respeito à relação entre os esforços dos cientistas e a resistência da natureza.

Continuar Lendo →