Arquivos de Categoria: Seminários: Latour 2014

Ciência em ação IV

BLatourRede

No capítulo 4, “Quando os de dentro saem”, Latour mostra que a usual distinção dentro/fora não serve para pensar a ciência. Para fazer a sua antropologia simétrica há que se perceber que a tecnociência inclui vários atores além de cientistas e engenheiros em laboratórios, e que mesmo esses costumam sair a fim de estender a rede científica, mobilizando aliados e recursos, e servindo como porta-vozes. Nesse sentido, é necessário estudar os dois lados ao mesmo tempo.

Carol e Carlos prepararam o seguinte resumo do capítulo:

Continuar Lendo →

Palestra do Latour no Rio em setembro/2014

Latour no evento Os mil nomes de Gaia:

Ciência em ação VI

BLatourScienceInAction

No sexto e último capítulo do livro, Latour destrincha as “Centrais de cálculo” a partir de um prólogo, “Domesticação da mente selvagem”, e seguindo pelas partes A, “Ação a distância” (p. 341-362), B, “Centrais de cálculo” (p. 363-386), e C, “Metrologias” (p. 386-404). A Parte A se subdivide nas seções: 1) Ciclos de acumulação; 2) A mobilização dos mundos; e 3) Construindo o espaço e o tempo. A Parte B apresenta as seções: 1) Amarrando firmemente todos os aliados; e 2) Qual é o cerne do formalismo. A Parte C foi organizada assim: 1) Expandindo ainda mais as redes; 2) Atado por umas poucas cadeias metrológicas; e 3) Ainda sobre a papelada.

Continuar Lendo →

Ciência em ação V

Bruno_Latour_Gothenburg_2006_cropped

Texto do André sobre o quinto capítulo, “Tribunais da razão”:

No capítulo 5 de Ciência em Ação, Latour se engaja em uma discussão relativa aos critérios que servem como parâmetros de demarcação entre o conhecimento científico e o conhecimento do senso comum. Essa oposição, muitas vezes colocada em termos valorativos como “racional vs irracional”, parece apontar para a existência de um aspecto que torna o primeiro tipo de conhecimento superior ao segundo.

Continuar Lendo →

Ciência em ação III

Bruno_Latour

Texto da Francine sobre o terceiro capítulo:

A Parte II de “Ciência em ação” – intitulada como “Dos pontos fracos aos fortes” – está dividida entre os Capítulos 3 e 4, sendo estes compostos, respectivamente, por quatro e duas seções.

O capítulo 3 – “Máquinas” – é introduzido por uma rememoração das conquistas logradas pelos capítulos anteriores e por uma avaliação da natureza das “caixas pretas”. Continuar Lendo →

Latour explica a controvérsia

Algumas entrevistas do Latour no youtube

Continuar Lendo →

Algumas palestras do Latour no youtube

Continuar Lendo →

Ciência em ação II

latourCienciaAcao

A primeira parte do livro chama-se “Da retórica mais fraca à mais forte” e é composta de dois capítulos, cujos títulos são eloquentes sobre qual seria a retórica mais fraca e qual seria a mais forte: “Capítulo 1 Literatura” e  “Capítulo 2 Laboratórios”. Interessante, no entanto, é que tanto a literatura quanto os laboratórios são tratados como retórica. Marta preparou um resumo dos dois capítulos:

Continuar Lendo →

Ciência em ação I

livrosBrunoLatour_CienciaEmAcado

Neste ano, o objeto dos nossos seminários será o livro Ciência em ação do Bruno Latour, escrito em 1987, publicado no Brasil em 2000 (primeira edição) pela Unesp, com tradução do inglês (sim, Latour escreveu em inglês, e não em francês) de Ivone Benedetti. A segunda edição é de 2011. Assim como o Representar e intervir do Hacking, que estudamos no ano passado, esta é uma publicação importante para mapearmos esse campo do conhecimento que, por ora, estamos chamando de Science Studies, e que se caracteriza, entre outros traços, por se aproximar da prática científica a fim de produzir uma imagem de ciência mais realista do que a da Filosofia da Ciência, da Sociologia da Ciência e da História da Ciência isoladas. Aliás, esta é uma outra característica: a interdisciplinaridade. E isso já se vê nas formações dos autores dos Science Studies. O Hacking é filósofo, o Latour sociólogo, há também historiadores da ciência, como o Peter Galison etc.

Continuar Lendo →